17 de set de 2009

Atum Apimentado

Eu adoro cozinhar e nunca fui muito fã de coisas prontas mas agora, voltando a morar sozinho e chegando tarde em casa as coisas mudaram. E ainda tenho que economizar e comer em casa...

Assim tenho ido ao supermercado para conhecer as "novidades" e acabei comprando um atum em molho picante para macarrão. Assusta não? O que me fez comprar foi o preço baixo (era mais barato que o atum comum) e a marca, Gomes da Costa da qual gosto muito.

E lá fui eu fazer o padrão, miojo (mas faço o miojo como se fosse um macarrão normal) com o molho fatídico. Cozinhei o miojo, escorri e fui abrir o molho. Primeira boa impressão foi a latinha que não precisa de abridor, qualidade... Depois o cheiro bom, suave e a consistência firme, esperava algo mais aguado. Juntei o macarrão e esquentei por alguns minutos, coloquei um pouco de azeite e manjericão (adoro manjericão)e fui comer.

Uma delícia, picante mas não exageradamente, o molho bem temperado e não aguado, o atum com gosto suave.

Não é algo que se sirva para uma visita ou para sua esposa, mas pra comer algo que fique pronto sem nenhum trabalho em 10 minutos está excelente.

Impressões:
Custo: Muito bom
Facilidade: Muito fácil
Gosto: Muito bom
Custo benefício: Excelente.

Dormir

Estava tão cansado que não conseguia dormir. Fez um escalda-pés... Pelo menos seus pés ficaram dormentes...

A vida caminha sozinha só até a ponta

Esse é um texto do Rodrigo Borges, jornalista do Destak e dono do ótimo blog Estado de Circo e tem tudo a ver com o meu momento de vida (de de outros amigos também):


O vento, ali, cortava feito a lâmina da navalha. Era tão escuro que não se enxergava viv’alma. Mas não enxergaria se dia fosse, porque não reconhecia mais ninguém na multidão. E não era mais um na multidão, porque também não se reconhecia.

Estava encostado no muro e, na outra ponta do baseado, passava sua vidinha em revista pela mente, sem se preocupar com o frio de navalha ou com a escuridão vampiresca. Em que momento deixara de lutar pela própria vida? Não, entenda, a saúde era boa. Sujeito forte. Mas se deixou levar. Como aquele vento frio naquela rua escura. A vida decidia sozinha pra onde ia. Não era aquela a melhor maneira de viver.

Não era bom de decisões. Se tivesse 20 vagas no estacionamento, demoraria meia hora para escolher onde pararia. “Prefiro estacionamento cheio. A primeira vaga que aparecer é a minha”, ele mesmo confessava. E se sua decisão tivesse de magoar alguém, era capaz de encostar num muro. E esperar que a vida passasse e aquele frio de navalha lhe cortasse a alma.

Até que queimou o baseado até o fim. A pontinha apagou. Virou, olhou para aquela ponta queimada e apagada. E começou a andar. Porque decidiu que ia desligar o piloto automático e dirigir a vida. No horizonte, o sol anunciava o dia que chegava.
Rodrigo Borges

Prazer Estético


Estalagmite

Eu estava no supermercado, feliz e contente comprando meus jantares quando um amigo me chamou a atenção para uma gôndola de Chikenitos.

Pra quem não sabe os Chikenitos são a versão genérica de nuggets, são mais baratos e por isso constam do meu cardápio. Eu achei que ele estava me chamando a atenção da embalagem ter mudado. A embalagem nova tem um desenho de um personagem:


Pois bem, o que ele queria me mostar era outra coisa, uma estalagmite formada na gôndola... Estalagmite é forma colunar que se eleva do chão, proveniente de pingos-d'água que caem do teto de uma cavidade ou caverna... No caso a cavidade era uma geladeira do Extra...

As imagens estão abaixo, posso dizer que pelo menos uma amiga já teve idéias para usar a estalagmite... Se quiser ver maior clique lá:




E como vocês podem ver a menina da caixa ficou empolgada...

10 de set de 2009

Vale Tudo

Vale Tudo é o título da biografia do Tim Maia, escrita pelo Nelson Motta. O livro é excelente, recomendo fortemente a leitura. Quer comprar, baixar(tem o livro e o audiobook)?

Bom, mas este post não é sobre isso, aliás é sobre o livro sim, mas mais especificamente pra falar do site do livro. No site tem a discografia do Tim Maia, 121 músicas de várias épocas e estilos.

Se tiver com vontade de ouvir músicas esquenta-sovaco ou mela-cueca é só entrar no site http://www.objetiva.com.br/valetudo/ que já começa tocando Vale Tudo, a música que dá nome ao livro. Passando o mouse na faixa amarela (o player) abre uma tela com todas as músicas. Escolha a que quiser ouvir ou coloque na primeira e deixe tocar sequencialmente. A qualidade é surpreendente.

A dica é ler o livro enquanto escuta e procurar as músicas citadas naquele trecho.

ps: A definição do tipo de música é do próprio Tim Maia: "O segredo do meu sucesso é o equilíbrio: metade das minhas músicas é esquenta-sovaco e a outra metade é mela-cueca".

3 de set de 2009

Desejos - Carlos Drumond de Andrade

Desejo a você
Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua Cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não Ter que ouvir a palavra não
Nem nunca, nem jamais e adeus.
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho
Sarar de resfriado
Escrever um poema de Amor
Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E muito carinho meu.